Imprensa

07-Mar-2019 16:40 - Atualizado em 07/03/2019 17:30
Investigação

Caso da ex-assessora de Crespo origina CPI dos Falsos Voluntários

Câmara Municipal de Sorocaba instaura Comissão Parlamentar de Inquérito para apurar o caso dos falsos voluntários que atuam no Paço Municipal.

Após discussões e consenso na Diretoria Executiva do PT Sorocaba, o partido apoiou a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso dos falsos voluntários que atuam no Paço Municipal.  A vereadora Iara Bernardi foi quem protocolou o requerimento para a abertura da CPI, com as assinaturas dos colegas vereadores Francisco França (PT), Renan Santos (PCdoB), Fernanda Garcia (PSOL), Hélio Brasileiro (MDB), Rodrigo Manga (DEM) e Péricles Régis (MDB). A CPI dos Falsos Voluntários foi criada oficialmente nesta quinta-feira (07/03).

De acordo com os membros que apoiam esta CPI, a Comissão irá apurar e investigar “denúncias de fatos e possíveis violações gravíssimas ao serviço público municipal, causados por usurpação de função pública, camuflados por ‘falsos serviços voluntários’, resultando em assédios morais, intimidações, tráfico de influência e prejuízos ao erário público”. Cabe, agora, ao presidente  da Câmara Municipal, o vereador Fernando Dini (MDB) proceder à nomeação dos membros da CPI. Após esta formalidade, será feita a primeira reunião na qual serão definidas a Presidência e a Relatoria da CPI dos Falsos Voluntários.

Voluntária?

A motivação para abertura desta CPI deu-se por conta do retorno da ex-assessora do prefeito José Crespo (DEM), Tatiane Pólis (do caso Diploma Falso), como voluntária na Prefeitura. A investigação irá apurar se o democrata cometeu crime de responsabilidade e falsidade ideológica por manter Taty Pólis na Prefeitura por meio de voluntariado. Conforme divulgado pela imprensa, o termo de adesão de voluntariado da ex-assessora não segue o decreto criado pelo próprio chefe do Executivo que regulamenta o serviço voluntário. Taty Pólis, por sua vez, também será investigada pela Polícia Civil para descobrir se ela cometeu o crime de Usurpação de Função Pública.

De acordo com um documento apresentado pela Prefeitura de Sorocaba, Tatiane Pólis trabalharia como voluntária em assessoria e consultoria em Gestão Comercial, Administração, Marketing e Comunicação e teria como local base de serviço o endereço da Prefeitura de Sorocaba. Apesar de o termo indicar que a ex-assessora pode cumprir cinco horas semanais em dias variados, denúncias indicam que ela passa a maior parte do dia na Prefeitura. O registro de voluntariado não seria válido, pois ele não segue o regulamento do decreto 22.930, feito pelo próprio prefeito.

,
termo_voluntariado

 

Andrea Quevedo - Assessoria do Vereador Francisco França, com informações do Ipa Online
Deixe seu Recado